TIRE SUAS DÚVIDAS. Ligue para gente: (21)2226-5113
Portal IBKL

Blog

DOAR SANGUE É SALVAR VIDAS

No ano de 2005, a OMS-Organização Mundial da Saúde, por intermédio da 58ª Assembleia Mundial da Saúde, instituiu o Dia Mundial do Doador de Sangue celebrado anualmente dia 14 de junho, com a finalidade de aumentar a conscientização sobre a necessidade de sangue e derivados seguros e agradecer aos doadores por suas participações voluntárias que salvam tantas vidas.

O IBKL e sua equipe juntam-se a esta celebração, especialmente neste momento, quando a pandemia da COVID-19 tem provocado a queda no estoque de sangue de vários países, assim como no Brasil, muitas vezes pelo medo das pessoas se contaminarem em ambiente hospitalar.

Diante da necessidade de manter os estoques e a rede abastecida de sangue, o Ministério da Saúde explica à população que as doações de sangue devem continuar acontecendo, especialmente neste momento em que o país registra casos e óbitos por coronavírus. Pessoas com anemias crônicas, acidentes que causam hemorragias, complicações decorrentes da dengue, febre amarela, tratamento de câncer e outras doenças graves, também continuam ocorrendo. E o consumo de sangue é diário e contínuo.

E informa: a doação de sangue é segura, não havendo riscos para quem doa. Para receber os doadores, todos os hemocentros do país, além de aproximadamente 500 serviços de hemoterapia – onde também são feitas coletas e uso do sangue – estão preparados. Esses serviços estão disponibilizando condições de lavagem de mãos, uso de antissépticos e acolhimento que minimizem a exposição e aglomerado de pessoas. Cuidados com a higienização das áreas, instrumentos e superfícies também têm sido intensificados pelos hemocentros.

Para mais informações sobre o assunto conversamos com o hematologista Luiz Amorim, Diretor-Geral do Hemorio, que respondeu as seguintes perguntas:

1- No Rio, quais as precauções tomadas na doação de sangue, durante a pandemia?

No caso do Hemorio, diminuímos o número de poltronas de doação, para aumentar o espaçamento entre elas. Evitamos a entrada simultânea de grupos de mais de 6 pessoas na sala de espera da coleta e, nessa área, mantemos duas cadeiras vazias entre cada pessoa. Todos os funcionários usam máscaras e há álcool gel em toda a parte. Estimulamos também a doação com hora marcada, agendada por meio do telefone 08002820708, de modo a encurtar a permanência dos doadores fora de casa. E criamos o Projeto Hemorio em Casa com coletas itinerantes, sobretudo em condomínios. Esses cuidados têm sido adotados pela maioria dos serviços de hemoterapia do Brasil.

2- Houve mudança de critérios na seleção dos doadores?
Foram acrescentados alguns critérios relativos à pandemia. Pessoas que tiveram COVID-19 ficam sem doar por 30 dias, até o desaparecimento dos sintomas, e pessoas que tiveram contato domiciliar com casos confirmados da COVID também.

3- Foi grande a queda de doações em todo o Brasil?
No início da pandemia, no mês de março, a doação caiu bastante, cerca de 30%. Em abril, com a implementação de diversas ações, houve uma boa recuperação. No mês de maio, a doação voltou a cair. No Hemorio, a queda em maio foi de cerca de 30%, comparando-se com maio de 2019.

4- Alguns estudos apontam pessoas com alguns tipos de sangue mais propenso a pegar a COVID-19. Essa informação é real ou fake?
A informação é real, embora sejam necessários mais estudos para que o achado se confirme. No mês de março, um primeiro estudo chinês mostrou que as  pessoas do grupo O tinham uma tendência a  ter formas menos graves da doença. Agora em junho, estudo italiano tentou investigar se isto procedia e quais eram as causas, e encontrou resultados parecidos. As causas da suposta proteção apresentadas pelos indivíduos do grupo O seriam genéticas.

Veja informações sobre o estudo preliminar clicando aqui.

5- Qual a situação atual dos hemocentros no país?
Boa parte dos hemocentros está promovendo ações, neste mês de junho – em que se celebra, em 14/06, o Dia Mundial do Doador de Sangue – para fazer com que o número de doadores volte ao normal.

Para mais informações sobre a doação de sangue clique aqui