TIRE SUAS DÚVIDAS. Ligue para gente: (21)2226-5113
Portal IBKL

Blog

Principais desafios da saúde em 2021 segundo a OMS

2020 foi um ano devastador para a saúde global. Um vírus até então desconhecido se espalhou ao redor do mundo, revelando as deficiências dos sistemas de saúde. Hoje, os serviços de saúde em todas as regiões estão lutando com os desafios da saúde para lidar com a COVID-19 e fornecer cuidados vitais às pessoas. 

Em outro golpe, a pandemia ameaça atrasar o progresso da saúde global que evoluiu com muita dificuldade nas últimas duas décadas no combate a doenças infecciosas, por exemplo, e na melhoria da saúde materno-infantil.

 

Novos desafios da saúde

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), em 2021 os países ao redor do mundo precisarão continuar a batalha contra a COVID-19. “Eles precisarão agir rapidamente para consertar e reforçar seus sistemas de saúde para que possam fornecer essas ferramentas e para abordar as principais questões sociais e ambientais que fazem com que alguns setores da população sofram muito mais do que outros”, aponta o relatório.

 

Principais desafios da saúde a serem enfrentados

1 – Construir solidariedade global para a segurança da saúde em todo o mundo encarar os desafios da saúde

A OMS trabalhará com os países para melhorar sua preparação para pandemias e emergências de saúde. Mas, para que isso seja eficaz, querem garantir que os países trabalhem juntos. “Acima de tudo, esta pandemia nos mostrou repetidamente que ninguém está seguro até que todos estejam seguros”, relata a organização.

 

2 – Mais acesso a testes, medicamentos e vacinas contra a COVID-19

Uma das principais prioridades em 2021 será alcançar o acesso equitativo a vacinas, testes e tratamentos seguros e eficazes e para garantir que os sistemas de saúde sejam fortes o suficiente para fornecê-los. Fornecer ferramentas eficazes para todos que precisam delas será a chave para encerrar esta primeira fase aguda da pandemia e para resolver as crises econômicas e de saúde que ela causou.

 

3 – Saúde avançada para todos

Uma das lições mais claras que a pandemia nos ensinou são as consequências de negligenciar nossos sistemas de saúde. Em 2021, a OMS afirma que trabalhará em todos os três níveis da Organização e com parceiros em todo o mundo para fornecer todos os serviços de saúde essenciais necessários para manter as pessoas de todas as idades saudáveis ​​- em casa e com auxílios governamentais.

 

4 – Combater as desigualdades na saúde

A pandemia chamou a atenção para as profundas disparidades que persistem dentro dos países.

Em 2021, a OMS afirma que usará os dados mais recentes para promover a cobertura universal de saúde. “Trabalharemos com os países para monitorar e abordar as desigualdades de saúde relacionadas a questões críticas como renda, gênero, etnia, viver em áreas rurais remotas ou áreas urbanas desfavorecidas, educação, condições de ocupação / emprego e deficiência”, aponta o relatório.  

 

5 – Revitalizar os esforços para combater as doenças transmissíveis

Nas últimas décadas, a OMS e seus parceiros trabalharam resolutamente para acabar com o flagelo da poliomielite, HIV, tuberculose e malária, e para evitar epidemias de doenças como sarampo e febre amarela. A COVID-19 atrasou grande parte desse trabalho em 2020. Portanto, em 2021, a meta é ajudar os países a fornecer vacinas contra a poliomielite e outras doenças para as pessoas que perderam a oportunidade durante a pandemia.

 

6 – Prevenir e tratar DNTs e problemas de saúde mental

As últimas Estimativas Globais de Saúde da OMS revelaram que as doenças não transmissíveis (DNTs) foram responsáveis ​​por 7 das 10 principais causas de morte em 2019. Em 2020, foi possível notar como as pessoas com DNTs são particularmente vulneráveis ​​ao COVID-19. Assim, foi possível notar como é vital garantir que os programas de rastreio e tratamento de doenças como câncer, diabetes e doenças cardíacas sejam acessíveis a todos os que precisam deles, quando precisam deles. 

FONTE: OMS.